quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Dia Mundial de Prevenção contra a Aids 1° de Dezembro

OBS.: O texto abaixo não é de minha autoria, compartilho-lhes do site http://www.sempretops.com/saude/1-de-dezembro-dia-mundial-de-prevencao-contra-a-aids/

Por que 1º de Dezembro?

A Assembléia Mundial de Saúde, com o apoio da ONU (Organização das Nações Unidas), foi quem instituiu a data de 1º de dezembro como o Dia Mundial de Luta a Aids em 1987, ainda como forma de alerta. No Brasil, um ano depois, o Ministério da Saúde oficializou a data, que passou a ser um símbolo mundial no combate a doença. O vírus HIV foi descoberto na França, em 1979, pelo instituto Pasteur.
O dia escolhido foi estabelecido para lembrarmos da existência do vírus HIV e da doença Aids, como forma de conscientizar a população mundial. Embora os avanços tecnológicos da área da saúde estejam mais otimistas, é bom lembrar, não há cura para quem está acometido com a doença, que ainda faz muitas vítimas e mortes a cada ano

Temas mudam a cada ano

Apesar da data ser fixa, o tema adotado pelas instituições responsáveis mudam a cada ano, afim de relembrar o combate a doença, despertando nas pessoas a consciência da necessidade da prevenção e aumentando a compreensão; reforçando a tolerância, compaixão e também uma forma de informar que não existe grupo de risco, mas sim ações que geram risco a saúde de todos.
Em 2011, o enfoque aborda os jovens gays de 15 a 24 anos das classes C, D e E. Tudo por conta do crescimento de casos nessa faixa etária e no grupo citado. É válido ressaltar que o preconceito passa longe desse tipo de alvo da campanha, já que nos anos anteriores já foram citados os públicos idosos, adultos, homens, mulheres e profissionais da área de saúde.
Com o slogan “A Aids não tem preconceito. Previna-se“, a campanha abrange também as redes sociais. Em 1998, havia 12 homossexuais para cada dez heterossexuais com Aids nesta faixa etária. Em 2010, a proporção foi de 16 para dez.
A campanha como público alvo tem a medida de alertar e discutir as questões relacionadas a vulnerabilidade do HIV/Aids, já que esse público mais jovem, segundo pesquisas, revelou não estar muito preocupado com a doença, onde acreditam que somente acontece com o outro.
Os alertas durante a vigência da campanha enfocam em mídias como TV, rádio, internet, cartazes, fôlderes e outras mídias. A ação também inclui exames gratuitos e rápidos para detectar o vírus e distribuição de folhetos informativos e preservativos.

Ações da Campanha

Jovens:  Somente em 2009, mais de 66 mil novos casos de AIDS entre jovens de 13 a 24 anos foram registrados. Isso representa 11% dos casos notificados de AIDS no país. Desde 2003, existe o projeto Saúde e Prevenção nas Escolas como medida de prevenção entre o público.
Mulheres: Ainda no início da década de 90, as mulheres tiveram um crescimento alarmante na infecção e transmissão do vírus HIV. 50% das pessoas infectadas no mundo atualmente são mulheres.  Somente na América Latina, 550 mil mulheres vivem com HIV. Desde 2007, criou-se um Plano Integrado de Enfrentamento a Feminização da Aids e outras DST, priorizando a conscientização de todas as mulheres no combate a AIDS.
Gays, travestis e homens que fazem sexo:  No início da epidemia, a infecção pelo HIV tem sido um problema crítico de saúde principalmente entre esse público, pois esse grupo permanece vulnerável a AIDS e a outras doenças sexualmente transmissíveis por ainda existir preconceito e estigma. Em 2008 foi lançado então o Plano de Enfrentamento da Epidemia de Aids e das DST entre população de Gays, Homens que fazem sexo e travestis.
Cerca de 50% das mulheres atualmente representam o número de infectados. Crescimento foi alarmante.
Cerca de 50% das mulheres atualmente representam o número de infectados. Crescimento foi alarmante.

O vírus e a Aids

Dizer que uma pessoa está contaminada com o HIV é diferente dela possuir Aids, por exemplo. O portador do vírus, com os tratamentos atuais usados em tempo certo, pode manter uma vida saudável por muito mais tempo. Essa pessoa, no entanto, por ser portadora do vírus pode contaminar outras pessoas.
Quando o vírus HIV não é combatido, ele se torna a doença AIDS,  que vem a causar a morte do indivíduo já que, nesse estágio, dificilmente o vírus poderá ser combatido com tanta eficácia e a doença começa a destruir o organismo do infectado, causando fraquezas e possibilitando casos graves de pneumonia e infecções.
Por isso, é importante fazer o teste e saber se houve alguma contaminação. O vírus possui cargas diferenciadas e pode levar de meses a anos para virar a doença AIDS. Logo, quanto mais cedo você começa a fazer um tratamento, maiores serão os anos de vida.
Ter o vírus HIV não é o mesmo que ter AIDS? E quanto mais cedo você se conscientizar disso, melhor para sua proteção!
Ter o vírus HIV não é o mesmo que ter AIDS? E quanto mais cedo você se conscientizar disso, melhor para sua proteção!

Não existe cura

Embora as pesquisas evoluam e o governo federal gaste anualmente 700 milhões de investimentos na área, a Aids ainda não tem cura. As pessoas precisam entender que o que existe hoje é uma forma de isolar o vírus e minimizar seus danos potenciais a saúde. No entanto, os agravantes que a doença vai causando e os efeitos possíveis aos medicamentos atuais, como o coquetel, podem diminuir os anos de vida do paciente.
Algumas pessoas ainda apresentam sérias restrições ao coquetel – mistura de medicamentos muito eficazes contra a doença-; com isso, ela não pode se beneficiar de tal medicamento e será acometida pelos agravantes da AIDS.

Brasil e a AIDS

O Brasil é um dos países com maior dedicação no combate a doença, inclusive servindo de exemplo para países de primeiro mundo, tanto no esmero a conscientização e preservação como na distribuição de medicamentos aos infectados. São mais de 465 milhões de preservativos distribuídos em todo o país e o acesso universal e gratuito da população aos medicamentos usados no tratamento da Aids
Além de você poder realizar os exames em todos os postos e centros de saúde, no Brasil temos os exames laboratoriais e os testes rápidos, que detectam os anticorpos contra o HIV em até 30 minutos, colhendo apenas uma gota de sangue na ponta do dedo.
Os testes são realizados gratuitamente no SUS, nas unidades públicas e nos Centros de Testagem e Aconselhamento. Os exames podem ser feitos inclusive de forma anônima.
  • Se preferir, ligue para o Disque Saúde 0800 61 1997. 

Diga não ao preconceito

Hoje não existe mais grupo de risco, mas sim comportamento de risco. Tudo porque quando a Aids surgiu, gays, profissionais do sexo e usuários de drogas injetáveis eram os mais visados a terem o vírus HIV. Hoje, todos que tenham um comportamento de risco como fazer sexo sem proteção e ter mais de um parceiro, ou ainda compartilhamento de seringas ou itens que tenham partículas de sangue, fazem parte da estatística de infectado.
Hoje, por exemplo, o número de heterossexuais infectados pelo HIV, principalmente o grupo de mulheres, tem crescido de forma alarmante. Lembre-se que usar o preservativo durante o ato sexual combate também não só a Aids como todas as doenças sexualmente transmissíveis.

Qualidade de vida e expectativas

Para aqueles que foram diagnosticados, hoje a expectativa bem como a qualidade de vida é bem melhor e mais otimista do que na época do surgimento da doença. A cada dia, mais avanços são feitos contra a doença e a esperança é que exista tão logo uma cura.
A conscientização, no entanto, se torna a mais promissora das conquistas, já que vacinas ou medicamentos atuais baseiam-se em isolar o vírus no organismo humano, mas não curar a doença.
  • Veja aqui, onde fazer o teste.

Vídeo: Campanha Com Artistas



OBS.: O texto acima não é de minha autoria, compartilho-lhes do site http://www.sempretops.com/saude/1-de-dezembro-dia-mundial-de-prevencao-contra-a-aids/

Comentários
5 Comentários

5 comentários:

  1. Pensar o 1° de Dezembro pra mim é pensar em Renato Russo, é pensar Cazuza...é pensar em todos aqueles que se foram por causa desta doença... é pensar em todos que não pensam no 1° de Dezembro... é pensar nos já contaminados... é pensar nos que estão se contaminado... nos que vão se contaminar e acima de tudo nos inocentes que já nascem contaminados. Não existe cura para AIDS, todos corremos nossos riscos, por isso o a PREVENÇÂO é nossa principal arma neste combate e o RESPEITO e o DIÁLOGO são os melhores caminhos. Vamos sempre lembrar do 1° de Dezembro!

    ResponderExcluir
  2. Ótimo tópico Fábio

    AIDS é algo que parece tão distante que ninguém tem interesse, é preciso pesquisar mesmo, porque esse negócio de esperar que saia logo a cura não dá em nada.

    Tento que eu vi coisas que eu nem sabia nesse artigo aí, e olha que eu me considero bem informado

    ResponderExcluir
  3. Pois é Pedro... Quase todo jovem se julga conhecedor do assunto, e nessa brincadeira cada vez mais jovens se contaminam. Hoje não dá pra reclamar de falta de informação, a informação está em todo lugar. A AIDS nunca matou tanto, mas por razões estranhas os jovens de hoje tem menos medo do que o pessoal dos anos 80 e 90... Isso é triste, o governo hoje dá uma sobrevida com coquetéis, mas a cura ainda é um sonho distante...

    Obrigado por todos comentários! Participem sempre!

    Usem camisinha.(2)

    ResponderExcluir