quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

2.3 COMUNIDADE DE INVESTIGAÇÃO




     O temo “Comunidade de Investigação” foi cunhado originalmente por Charles


Sanders e estava restrito a comunidades de cientistas, porém com o tempo o termo


teve seu sentido ampliado para qualquer tipo de investigação. Quando falamos em

Comunidade de Investigação, devemos ter em mente um local onde todos estão

dedicados à utilização de procedimentos semelhantes no desenvolvimento de

objetivos idênticos.

     Para pensarmos a Escola como Comunidade de Investigação, necessitamos

pensá-la com as seguintes categorias:

          1° Um lugar onde os alunos dividem suas opiniões;

          2° Onde as questões surjam a partir das ideias dos alunos;

          3° Onde existam debates honestos sobre opiniões não apoiadas;

          4° Onde um aluno ajude o outro na compreensão daqui lo que foi informado

ou acrescentado por um colega, ou pelo professor;

          5° Onde a discussão não está limitada pelas linhas divisórias que separam as

disciplinas;

          6° Onde a investigação tenta acompanhar a naturalidade dos raciocínios dos

alunos.

      O método da Comunidade de Investigação está baseado no diálogo

(LIPMAN, 1995, p. 31) e busca estar sempre harmonizado com a lógica das ideias

que possam ser apresentada ou desenvolvias em sala de aula. Muitas vezes a

investigação vai seguir por caminhos indiretos e os alunos discutirão temas que não

estão ligados diretamente ao assunto principal, porém como o processo todo é

internalizado ou introjetado pelos participantes, Lipman nos diz que estes passam a
pensar em “movimentos” que se assemelham aos “procedimentos”. Eles passam a

pensar como o processo pensa. (LIPMAN, 1995, p. 32)

 Este texto faz parte do trabalho chamado “Crítica a Escola” escrito por mim, Fabio Goulart. Para fazer o Download do trabalho Completo CLIQUE AQUI. Todos os dias será postado um novo texto deste trabalho aqui no site! Boa Leitura!
Comentários
2 Comentários

2 comentários:

  1. Olá Andréa Beheregaray! Tudo bem!? A proposta de transformar as salas de aula em comunidade de investigação de LIPMAN realmente é muito interessante. Para não dizer que só fico no papo... Coloquei isso em prática na E.E.E.M Santa Rosa no Bairro Rubem Berta POa (considerada uma das mais perigosas E.E.E.M de poa) e foi muito legal...os proximos capítulos contarão essa história. Te espero sempre aki nos comentários.

    ResponderExcluir