quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Argumentação


Quando somos curiosos, interpretamos o mundo que nos rodeia e conseguimos expressar aquilo que pensamos, temos uma OPINIÃO.
Mas opinião cada um tem a sua, por isso que muitas vezes a opinião é ingenua, intolerante...Ou seja, muitas vezes é impossível entender ou explicar uma opinião de alguém(ou para alguém) que pensa diferente de nós.
Para dar poder a nossa opinião, temos que transformá-la em um ARGUMENTO.

Uma boa tática argumentativa é seguir o seguinte modelo onde O ARGUMENTO é formado por 3 partes:
          1. Premissa de TESE
          2. Premissa de ANTÍTESE
          3. Síntese ( CONCLUSÃO + OPINIÃO)
A única regra para um bom argumento aqui é que as premissas não podem contradizer a conclusão. Também devemos ter cuidado para sermos o mais imparcial possível até apresentarmos nossa opinião.
Cada argumento pode ter quantas premissas o locutor achar necessário para convencer o interlocutor (Locutor é aquele que argumenta e Interlocutor é aquele ao qual o argumento é dirigido). Porém, um argumento muito longo está mais propício a conter contradições internas, parcialidades ou falsidades(as famosas falácias).O ideal é que tenhamos sempre premissas sólidas, baseadas em textos e teorias já consagradas. Para evitar os problemas de criarmos um longo e cansativo argumento, o melhor caminho é escrever vários e variados argumentos menores acerca do mesmo assunto.

EXEMPLOS DE ARGUMENTOS BONS E RUINS:

      1. Todo adolescente costuma a fazer muitas besteiras. Algumas por falta de orientação dos mais velhos e outras por pura falta de maturidade ou na tentativa de se reconhecer e de se afirmar na sociedade.
        Muitas destas besteiras deixam marcas para o resto da vida, tais como uma gravidez indesejada, o consumo de drogas, uma imprudência no trânsito ou mesmo um ato criminoso cometido com a ideia de que a lei beneficia os menores de idade.
        Porém outras besteiras fazem parte do desenvolvimento da pessoa e são super necessárias para que o indivíduo tenha uma vida adulta sadia. A adolescência é um período de muitas escolhas e de poucas certezas, por isso que é o período onde devemos nos reconhecer em nossa vida amorosa, social, acadêmica, esportiva, etc. Nem que para isso tenhamos que quebrar a cara algumas vezes.
        Os mais velhos devem dar mais atenção aos adolescentes, orientando-os que cada ato gera suas consequências, mas também devem dar autonomia suficiente para que eles possam aprender com seu erros e acertos. Uma juventude consciente e sadia pode ser a chave para termos nações melhores no futuro.

2. A lei deveria ser mais severa contra adolescentes que que cometem crimes. É absurdo ver casos onde vemos um jovem de dezessete anos acusados pela morte de mais de dez pessoas é tratado como incapaz de discernir sobre seus próprios atos. É evidente que uma pessoa de dezesseis ou dezessete anos sabe exatamente o que faz.
Nossas autoridades devem parar de olhar menores infratores como crianças e começar a vê-los com criminosos! Imagine você ter um ente querido assinado de maneira cruel por um destes monstros e saber que daqui a dois ou três anos ele estará solto novamente.
Não podemos aceitar mais essa situação! O povo precisa se unir para mudar nossas leis.

          1. Quando agente é adolescente tudo é novo e encantador. É a faze da vida onde bebemos sem saber beber, tranzamos sem saber tranzar, choramos sem saber porquê, amamos sem querer amar.
            O mais estranho de tudo é que quando somos adolescentes não vemos a hora de virarmos adultos...
            Nunca devemos tentar esticar ou reduzir a adolescência, ela deve começar e terminar na hora certa, nas que hora certa é essa? Não sei, mas cada um tem a sua. O importante é saber que é muito bom ser adolescente.

4. Muitos adolescentes cometem erros que deixam marcas pro resto da vida, tais como tais como uma gravidez indesejada, o consumo de drogas, uma imprudência no trânsito ou mesmo um ato criminoso cometido com a ideia de que a lei beneficia os menores de idade.
Outros apenas aproveitam este período da vida namorando, estudando, se divertindo e etc.
Está na consciência de cada um a maneira de viver sua adolescência, você é quem escolhe o que deve ou não fazer.

O Argumento (1) é o exemplo de um argumento bem estruturado, ele tem pelo menos duas premissas bem distintas que mostram os dois lados dos erros que cometemos na adolescência. Além disso, a conclusão é formada a partir dos dados levantados no resto do texto. Ao argumentar desta maneira demostramos nosso domínio sobre o assunto e temos segurança para apresentar nossa opinião.

O Argumento (2) é péssimo. Ele logo de cara deixa evidente sua intenção. Ele se aproveita de um assunto que possui rápido apoio e se utiliza de diversas expressões que causam grande impacto ao interlocutor. Além disso ele se usa de táticas sujas como o apelo ao emocional e a generalização apressada, ou seja, ele tenta aproximar os fatos para seu cotidiano e tenta dizer que todos os adolescentes cometem crimes conscientemente. Quando escrevemos um argumento assim demostramos toda nossa revolta sobre determinado assunto, porém mostramos que só enxergamos um lado da moeda e acabamos por criar verdadeiras muralhas entre nossa opinião e a opinião de quem pensa diferente.

O Argumento (3) é ingenuo demais. Eles está mais para uma música ou para um poema. É um texto aparentemente escrito com o coração e não com a razão, além disso as premissas não são muito coerentes e o texto só faz sem tido se o interlocutor concorda com seus pressupostos. Por fim sua conclusão não é consequência direta de suas premissas. É o tipo de argumento que mostra que temos boas ideias, porém com pouco conteúdo para falar sobre elas.

O Argumento (4) é bem coerente, porém é uma verdadeira “encheção de linguiça”. As premissas estão bem escritas e coerentes com a conclusão, mas são demasiadamente óbvias e a conclusão e tão evidente que na verdade não conclui nada. Este tipo de argumento é muito chato para o interlocutor, pois o obriga a buscar respostas que não estão descritas. Ao invés de fortalecer a opinião do locutor este tipo de argumento acaba por evidenciar que ele não tem opinião alguma sobre aquele assunto

EXERCÍCIO (Avaliação valendo 20pontos p\turma 105 e 10pontos p\ turmas 108 e 106.

Escreva um argumento sobre um dos temas abaixo.

-Gravidas antes dos 16. 
-Drogas 
-copa 2014 
-eleições2010

-Seu Argumento deve ter:
-Premissa 1 falando um lado aparentemente positivo do assunto (3 linhas ou mais)
-premissa 2 falando um lado aparentemente negativo do assunto(3 linhas ou mais)
-Conclusão + opinião (4 linhas ou mais)

Após escrever o argumento converse com os colegas, reflita sobre ele e escreva mais um parágrafo de 3 linhas.


Existem várias outras formas de se argumentar, mas acredito que esta é uma excelente forma de começarmos a exercitar nosso ato de filosofar...

Proto, após dominar a curiosidade, a interpretação, a expressão, a argumentação e a reflexão, estamos prontos para FILOSOFAR e compreender a Filosofia e sua história.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário