segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Começa a reestruturação do currículo do Ensino Médio

- Já faz um bom tempo que se fala na necessidade urgente de "reformar" o ensino médio nas escolas públicas. Os resultados drásticos do último ENEM "botaram lenha na fogueira"... Pois bem, o debate está aberto e a mudança está próxima. De uma "lida" no TEXTO \ PROPOSTA apresentado pela SECRS que prevê a abertura do debate deste assunto logo abaixo.




\/ \/ \/\/ \/ \/\/ \/ \/\/ \/ \/\/ \/ \/\/ \/ \/\/ \/ \/\/ \/ \/\/ \/ \/\/ \/ \/\/ \/ \/\/ \/ \/\/ \/ \/\/ \/ \/

SECRS inicia reestruturação do currículo do Ensino Médio

A Secretaria de Estado da Educação (Seduc) prepara para o primeiro semestre de 2012 a reestruturação do currículo do Ensino Médio. A proposta contempla qualificação, articulação com o mundo do trabalho e práticas produtivas. A ideia se constitui em um ensino médio politécnico, com articulação das áreas de conhecimento e suas tecnologias com os eixos da cultura, ciência, tecnologia e trabalho como princípio educativo (nível presente em 793 escolas).

Ensino Médio Politécnico

De acordo com dados do Censo Escolar da Educação Básica de 2010, o 1º ano do Ensino Médio de 793 escolas da rede estadual recebeu matrícula de 161 mil alunos. Nos três anos do nível, o número de matrículas em 2010 foi superior a 354 mil. De acordo com o secretário de Estado da Educação, Prof. Dr. Jose Clovis de Azevedo, as mudanças buscam superar a situação atual que apresenta defasagem idade-série de 30%, índice de abandono de 13%, principalmente no 1º ano, e de 21,7% de reprovação. Outro desafio é trazer para a escola 84 mil jovens, em idade de cursar o Ensino Médio, mas que estão fora da sala de aula.

Currículo

O Currículo do Curso de Ensino Médio Politécnico será desenvolvido em três anos, com 2.400 horas, com a possibilidade de um acréscimo de 600 horas na carga horária, totalizando 3.000 horas. Este acréscimo, dividido nos três anos, deverá ser constituído por estágios ou aproveitamento de atividades em situações de emprego formal ou informal. O conteúdo compõe projetos desenvolvidos nos seminários integrados como parte do currículo do curso. Ao longo dos três anos, a proporção da formação geral e diversificada é a seguinte: no 1º ano, 75%-25%; no 2º, 50%-50%; e, no 3º, 25%-75%.

Formação Geral

Inclui as quatro áreas de conhecimento: Linguagens e suas Tecnologias (conhecimentos expressivos/de comunicação; Língua Portuguesa, Literatura, Artes, Língua Estrangeira Moderna, Educação Física); Matemática e suas Tecnologias (conhecimentos lógico-matemáticos); Ciências da Natureza e suas Tecnologias (conhecimentos físicos, químicos e biológicos); e Ciências Humanas e suas Tecnologias (conhecimentos filosóficos, geográficos e sócio-históricos).

Formação Diversificada (humana – tecnológica – politécnica)

Constitui a articulação das áreas do conhecimento, a partir de experiências e vivências, com o mundo do trabalho. Enfoques ou temáticas: Educação e Conhecimento: base filosófica, psicopedagógica e sócio-antropológica (Psicologia da Educação e da Aprendizagem, Sociologia da Educação, Filosofia da Educação, História da Educação, Desenvolvimento Cognitivo, Desenvolvimento Neuromotor, Antropologia, Educação Especial); Conhecimento específico da Educação Infantil e do Ensino Fundamental: Literatura Infantil, Arte-Educação – Cênicas, Plásticas e Música, Expressão Dramática, Recreação e Jogos, Música, Nutrição, Puericultura, Enfermagem, Conhecimento Lógico Matemático, Psicogênese da Leitura e da Escrita, Fundamentos da Psicomotricidade, Desenvolvimento da Linguagem, Planejamento – Organização do Ensino, Legislação, Estrutura e Funcionamento do Ensino, Didáticas e Pesquisa.

No âmbito da Educação Profissional a reformulação do currículo busca articular os cursos técnicos com os arranjos produtivos locais e as necessidades de desenvolvimento do Estado, bem como com a modernização tecnológica.

As mudanças na Educação Profissional (156 escolas) e Escolas Normais (104 estabelecimentos) serão encaminhadas ao Conselho Estadual da Educação para análise e homologação, antes de entrar em vigência.

A reestruturação do Ensino Médio atende a diretrizes do Conselho Nacional de Educação (CNE) contidas na Resolução 04/2010, que estão em processo de homologação no Ministério da Educação.

Conferência

A proposta da Seduc está contida em um documento-base que entra em debate em todo o Estado, no processo de Conferência Estadual. A primeira etapa, que constitui o debate nas escolas, começa ainda em setembro. Os 22 mil professores do Ensino Médio do RS estão convidados a participar desse processo. A Conferência se estrutura em cinco etapas, sendo encerrada em dezembro, em Porto Alegre. A expectativa é reunir na Capital 400 delegados, com proporcionalidade dos segmentos escolares: 300 professores (75%), 60 alunos (15%), 20 funcionários de escolas (5%) e 20 pais ou responsáveis (5%).

Fonte: http://www.educacao.rs.gov.br/pse/html/noticias_det.jsp?ID=7505

Nenhum comentário:

Postar um comentário