segunda-feira, 8 de abril de 2013

Marco Feliciano Presidente da CDHM - O Som da Verdade #13



Desde que o Deputado Federal Sr. Marco Feliciano assumiu a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, não houve sequer um momento até agora, o qual qualquer um dentro da comissão pudesse trabalhar.

Assim que noticiada a posse do Pastor Marco Feliciano, o mesmo recebeu incessantes críticas e todo tipo de protesto foi instaurado dentro e fora das bancadas e na Câmara.

Todo este “estardalhaço” tem um motivo especial, que são as declarações que o atual presidente da CDHM fez em sua conta no Twitter pessoal que também utiliza para promoção pública e demais funções, tais como a de pastor por exemplo.

Algumas declarações são antigas e outras são recentes, porém caminham em sentidos parecidos, ou seja, todas elas são sobre minorias, mas não a favor e sim contra.

É difícil mensurar com certeza e clareza quantas foram as declarações sobre o assunto e qual o real sentido, tendo em vista que o mesmo hora fala como parlamentar, hora fala como pastor, hora fala como cidadão e às vezes como Presidente da CDHM, porém estas foram as principais declarações do Deputado:

"- Sobre o continente africano repousa a maldição do paganismo, ocultismo, misérias, doenças oriundas de lá: ebola, aids, fome... Etc", escreveu o deputado na ocasião. 

"- A podridão dos sentimentos dos homoafetivos leva ao ódio, ao crime, à rejeição".

“- Pois depois da união civil virá a adoção de crianças por parceiros gays, a extinção das palavras pai e mãe, a destruição da familia.”

"- preciso do apoio de pessoas cristãs ou não, que sejam contrarias a união civil homossexual que é apenas a porta de entrada para o caos."

É impossível que alguém com o mínimo de sensatez, ou conhecimento sobre os direitos humanos não se indigne com as frases acima.

Obviamente que com o intuito de driblar inclusive os processos que ele pode contrair, quando questionado sobre as afirmações, ele diz que tudo isso não passou de um debate teológico a fim de constatar se tais linhas de estudos tinham alguma relevância, ou não.

Com essa manobra argumentativa, poderíamos excluir as frases sobre os negros e o continente africano. Mas como se livrar das frases contra os homossexuais?

Não há como se desfazer de algumas posições, mesmo com os melhores argumentos do mundo e tal posição conservadora e antidemocrática é infinitamente ultrapassada e ignorante. 

Sem contar as falácias pronunciadas todos os dias, preconceitos, hora velados e hora nítidos e até mesmo a pobreza cultural e desonestidade intelectual de ser contra a “ideologia do homossexualismo", ou até da homossexualidade e não ser contra os homossexuais, vamos nos ater a outros fatos. 

Como um pastor evangélico, Marco Feliciano é naturalmente contra o homossexualismo e sustenta esta ideia segundo sua interpretação religiosa sobre a Bíblia Cristã. Ele já assumiu publicamente que, além disso, como cidadão ele é contra atitudes homossexuais públicas e que não aprova a “conduta” homossexual. Até ai isso não configura um problema...Existem milhões de outros argumentos e informações sobre ele nesta questão, mas questionaremos apenas um deles. Se o SR. Marco Feliciano é contra o a ideologia do homossexualismo que provem de uma minoria e inclusive retira da pauta as lutas dos homossexuais ele não está no lugar errado para fazer isso? Tendo em vista que a CDHM foi criada para defender o direito das minorias?

Mas talvez você diga que o presidente é apenas um juiz que está lá para ser imparcial e defender seus posicionamentos com parlamentar que é. Mas a dúvida é: Ele está sendo imparcial? Ele está defendendo seus posicionamentos, ou retirando as lutas da pauta subtraindo conquistas e inserindo seus interesses acima dos demais?

Mesmo afirmando que: "- A podridão dos sentimentos dos homoafetivos leva ao ódio, ao crime, à rejeição"Ele salienta que não é homofóbico. 

Além disso, Marco Feliciano diz que: 

“- Me baseio muito na posição política de Martin Luther King, foi um herói, um mártir. E ele tem algo em comum comigo: ele também era pastor. A diferença é que ele viveu um outro século, de outras diferenças, de outras aspirações”.

O parlamentar afirmou também ser contra o projeto de lei que tramita no Senado em defesa da criminalização de atos de preconceito por orientação sexual.  Para ele, o projeto fere o seu direito de pensar e pode causar perseguição religiosa.

“- Dentro do projeto há pontos obscuros. Um deles é que a pessoa não pode ser constrangida nem sofrer qualquer tipo de preconceito. Se um casal do mesmo sexo quiser casar na minha igreja e eu falar que não pode, que é a nossa ideologia, se a pessoa recorrer à polícia e considerar que foi constrangida, é crime inafiançável”.

“- O problema não é a comunidade gay. Eu tenho amigos que são e são pessoas completamente equilibradas. O problema são os ativistas. Eles fazem o que já fizeram comigo, que é tentar destruir a minha imagem e falar pra sociedade que você é uma coisa e que não é”.

Para o deputado, é necessário que a Comissão de Direitos Humanos não se limite à discussão de projetos para alguns grupos e minorias. Ele defendeu debate de temas como tráfico internacional de pessoas.

Além de se comparar ao pastor americano Martins Luther king que defendia as minorias negras que eram impedidas de frequentar os mesmos cultos que a maioria branca e sofriam demasiados preconceitos, assim como os homossexuais hoje, ele ainda acredita que se a PL122 for aprovada anulará o 5° Artigo da Constituição sobre a liberdade religiosa, de culto e de livre expressão e por último acusa e culpa os ativistas sociais por tentar destruir a imagem dele.

Mas e ele, será que pensou que suas declarações estão destruindo sua imagem?

E para encerrar, já que o pastor Martin, que lutou tanto pela igualdade e direitos humanos foi lembrado fica outra pergunta também, se trocássemos a palavra Gay pela palavra Cristão, será que as lutas fariam mais sentido? Será que mais pessoas se indignariam?

Pois é, hoje homossexuais lutam por direitos básicos e irrisórios, amanhã, pode ser você!

Fique agora com algumas imagens:









 
Fontes: 

http://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/comissoes/comissoes-permanentes/cdhm

http://pt.wikipedia.org/wiki/Comiss%C3%A3o_de_Direitos_Humanos_e_Minorias

http://g1.globo.com/politica/noticia/2013/03/marco-feliciano-e-eleito-presidente-da-comissao-de-direitos-humanos.html

http://g1.globo.com/politica/noticia/2013/03/pastor-contrario-lei-anti-homofobia-e-indicado-para-comissao-na-camara.html

http://www.marcofeliciano.com.br/

https://twitter.com/marcofeliciano

https://www.facebook.com/PrMarcoFeliciano

http://www.pbagora.com.br/conteudo.php?id=20130405130552&cat=brasil&keys=feliciano-acidente-mamonas-castigo

 

Autor: Fábio Fleck

Comentários
3 Comentários

3 comentários:

  1. A questão é que apesar de imoral, antiética e antidemocrática, a permanência dele é legal.

    ResponderExcluir
  2. Texto muito bem articulado e com argumentação precisas!

    ResponderExcluir
  3. @Samuel Farias: A permanência dele como Deputado Federal é perfeitamente legal, porém, como a permanência como presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias obviamente não é a coisa mais legal que existe não. Pois ele deveria ser imparcial na colação de pautas, porém não é, está colocando suas próprias pautas religiosas como por exemplo "Cura Gay", entre outras.
    E nos julgamentos também deveria ser impacial, porém não é.
    Ele tem apenas retirado das pautas, as cusas dos homossexuais todos os dias, ao invés de "defender" e de "julgar" causas em prol das minorias...Ele está transformando a CDHM em sua nova Igreja e trazendo a sua doutrina evangélica para lá.
    Feliciano responde a dois processos no Supremo Tribunal Federal (STF): um inquérito que o acusa de homofobia e uma ação penal na qual é denunciado por estelionato. Veja mais informações em: http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/politica/noticia/2013/05/cientista-politico-diz-que-decisao-de-feliciano-de-encaminhar-cura-gay-para-votacao-e-estrategia-politica-4125085.html

    ResponderExcluir