quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Monopólios de Ideias Contra a Democratização do Conhecimento Gratuito - O Som da Verdade #8



Antes da invenção do Google existiam plataformas de busca muito boas, porém as quais nenhuma se compara de forma alguma com o Google.


Desde sua invenção em 1998 o Google é inovador em todos os sentidos. Após exatos 14 anos os buscadores que conseguiram sobreviver, continuando atuais, aguentando o tranco da tecnologia dinâmica como é hoje, tais como Yahoo e Bing, por exemplo, são sites sem muitos atrativos e mais difíceis de fazer uma busca, ou indexar um site do que o Google.


Sabemos que os sistemas de busca nasceram antes mesmo da internet, pois eles já estavam presentes nas primeiras intranets das universidades, como a de Harvard, já os sistemas atuais de busca, foram criados nos anos 80 também dentro das faculdades.


Muito do embrião dos buscadores, foi idealizado pelo Yahoo baseado em uma busca simples de palavras chaves, dentro da ideia de um "HTML puro”.


Agora é necessário esclarecer que o método de pesquisa do Google é milhões de vezes superior a qualquer um existente, ele dispõe de um motor de busca, um robô de indexação, ferramentas para web designers e ranking de páginas, inclusive com possibilidades de indexação de imagens, vídeos e deixando as Key Words, uma forma totalmente secundária de pesquisa, o que é uma grandiosa evolução.



Além disso, o Google não é só um buscador, mas sim um Provedor de conteúdo universal e com a maior quantidade de informações regionais onde possui dados de cada país, também é um veículo de comunicação e mídia tão surpreendente quanto à própria internet, o Google e seus serviços, junto ao Facebook, são a nova cara da internet, mais moderna e com ideias compartilhadas, sem custos para os usuários, idealizando um local mais justo, sem monopólio de conhecimento ou criação, permitindo a experiência do saber como um todo e para todos, é a pesquisa num click e resultados em segundos.


Em contrapartida a todos estes adjetivos existe uma significativa parcela da população, mundial inclusive, que acredita que o Google não respeita as leis dos países onde atua e que também acusam o Provedor de ser contra o direito e a propriedade intelectual, já que trabalha na contra mão de seus críticos (em sua maioria Gravadoras e grandes empresas) divulgando e compartilhando as ideias de todos gratuitamente.


Pense que alguns anos atrás apenas músicos profissionais, com muito dinheiro, patrocínio e contatos poderiam se lançar no mercado, pense que antigamente para gravar um CD e divulgá-lo na mídia era quase impossível, reflita que há pouco tempo suas ideias, sua visão, opinião, ficavam trancadas, apenas em sua mente ou no máximo eram compartilhadas com sua família e amigos, sem possibilidade de grande exposição. Porém a tecnologia, a informática, a internet e estes tipos de serviços, proporcionam a população um poder de conseguir adentrar aos mais longínquos lugares da Terra  sem impedimentos para as boas ideias.


E a pergunta é: Isso seria possível sem a internet? E isso seria possível sem o Google?


Quer pesquisar sobre qualquer assunto, desde o mais simples até o mais complexo? Use o Google Buscador. Quer saber como chegar a algum lugar? Google Maps. Quer assistir a primeira transmissão da televisão brasileira? Veja no Youtube. Quer mostrar suas ideias em forma de texto? Blogspot. Quer falar com seus amigos, trocar fotos e divulgar sua Banda? Orkut(fazendo referencia ao Google, mas hoje você provavelmente usa mais o Facebook) e outros tantos serviços.


Todos devem respeitar o trabalho dos artistas: Músicos, atores, escritores, que podem perder muito dinheiro com este tipo de serviço, mas que a verdade seja dita, todos podem se adaptar de algum modo às novas tecnologias, não se acomodar e fazer disso um benefício.

Quem perde mais são os monopólios de ideias e as fábricas de talentos artificiais.


Sobre o respeito que o Google tem quanto às leis este é tão grande que eles contestaram na justiça o direito da liberdade de expressão do usuário que postou vídeos com criticas a um politico no Youtube, com isso o Google estava garantindo um direito de posicionamento e tentando debater questões discutíveis. Todos merecem defesa e o direito de se justificar. 


A prisão do presidente do Google, sem o direito de ampla defesa, foi radical e demasiada.

Pois os verdadeiros criminosos não vão para a cadeia em nosso país e quem zela por liberdade e tenta buscar soluções para problemas antigos sim. Ai está novamente a desigualdade.


Você pode ler mais a respeito em: 




Pode-se notar o quão polêmico foi a questão, quando observamos a opinião de um dos maiores juristas e conhecedores de direito no Brasil, como um ministro do TSE e STF Marco Aurélio Mello, leia mais em:


Autor: Fábio Fleck



Nenhum comentário:

Postar um comentário