quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Greve: Uma estrada de mão dupla. É algo bom, ou ruim? - O Som da Verdade #4

 

A Greve do Latim: “Vagabundus Transitorium” é um ato de paralização coletiva do trabalho, a fim de obter benefícios dos empregadores, geralmente referente à reinvindicações de aumento de salário e melhores condições para o desempenho das funções.

Bem, o trocadilho talvez não tenha sido muito bom, nem muito engraçado, mas no fundo não deixa de estar correto, já que a palavra “Vagabundus” vem do latim e quer dizer “pessoa que anda sem destino”, de VAGARE, “errar, andar ao léu”, mais o sufixo: BUNDUS, “propenso a, cheio de”.  O que é uma verdade, pois os grevistas brasileiros podem não ser vagabundos, ou não são vagabundos, mas eles “estão” por hora, ou seja, transitoriamente sem fazer nada e vagando sem um rumo certo para poder chegar onde querem. Dadas às circunstâncias do enrijecimento do governo, empresários e outros setores da sociedade.

O governo atual, que alguns anos atrás, era um dos maiores apoiadores dos movimentos sindicais e trabalhistas, não está apoiando as dezenas de greves, principalmente dos funcionários públicos, que estão ocorrendo hoje. Para se ter uma ideia, nem mesmo a CUT está apoiando.

O que é muito fácil de entender, pois quando se está do outro lado, tudo muda agora a oposição é situação e vice-versa, com isso as responsabilidades mudam o trabalho, a visão, a intenção, tudo muda, para poder progredir, ou pelo menos para tentar.

A Greve é um dos melhores meios, ou um dos únicos meios, de promover uma batalha de solicitação de direitos, é uma arma trabalhista, homologada pela CLT, com o poder de decisão proletária, porém, como tudo tem dois lados, dependendo de como ela é utilizada, pode ser uma bomba, prestes a explodir para o lado dos empregados.

Vamos pensar no grande exemplo dos professores. O que faria você no lugar deles? Com muito trabalho, grande responsabilidade, uma digna missão, necessariamente de cuidadoso trato, porém, de baixa remuneração e de poucos benefícios.

É com certeza de se pensar, que você quer o melhor para seus filhos e com certeza, se algum professor humilhasse seu filho, ou ensinasse algo errado para ele, você cobraria uma resposta da escola e não descansaria enquanto não tomasse uma atitude.

Mas em contraponto, se um professor possui tamanha responsabilidade, há de se convir que ele tenha que ganhar mais e possua melhores benefícios, principalmente, pelo fator da motivação pessoal e profissional, pois afinal de contas, ele passará conhecimento e com isso uma série de valores para outras pessoas.

Entretanto, reflita: Você reagiria de mesma maneira se algum familiar seu, precisasse de atendimento médico por algum motivo grave e este fosse negado por um motivo como a Greve?

Logo a greve passaria de um honroso ato, para atitude banal, diante da necessidade da vida de um ser humano. É difícil discordar da greve e da necessidade dos grevistas, porém, é difícil sofrer as consequências das greves das mais variadas maneiras, o melhor mesmo é usar o bom senso, com argumentos construtivos e com uma direção racional. E terminamos sem resposta:

Gostaríamos de saber, o  que você acha da greve ? É algo bom, ou ruim em sua opinião?

Autor: Fábio Fleck


Comentários
2 Comentários

2 comentários:

  1. O mais apropriado seria "errabundus". Vagabundus leva a um termo pejorativo em português. Mas nem vagabundus e nem errabundus, eles não estão errantes, estão numa direção única que é a melhoria não somente do salário mas também da qualidade do ensino. Comparar com a saúde é inadequado, pois ninguém vai adoecer mais ou morrer por falta de umas aulas.

    ResponderExcluir
  2. Olá Anônimo, muito Obrigado pelo comentário.
    Gostei do "errabundus"e sobre sua opinião.
    Só cabe lembrar que foi citado: “Vagabundus Transitorium” ou seja temporario.
    Mas "errabundus" também seria bem coerente :)

    ResponderExcluir