quarta-feira, 14 de março de 2012

Professores de todo Brasil parados por aquilo que já é lei.

Professores de todo Brasil param hoje pedindo apenas o que já é previsto em lei:
PISO NACIONAL DA EDUCAÇÃO
De acordo com informações repassadas pelos sindicatos filiados à CNTE, 17 estados não pagam o piso anunciado pelo MEC (R$ 1.451,00) e o mesmo número não cumprem a jornada extraclasse definida na Lei 11.738. Por isso, nos próximos dias 14, 15 e 16, os/as trabalhadores/as da educação básica pública promoverão Greve Nacional para denunciar os gestores que não cumprem a Lei do Piso, sobretudo de forma vinculada à carreira profissional e com a destinação de no mínimo um terço da jornada de trabalho do/a professor/a para atividades extraclasse.
Em relação à tabela abaixo, importante destacar:
1. O piso nacional do magistério corresponde à formação de nível médio do/a professor/a, e sua referência encontra-se localizada na coluna "Vencimento" da tabela.
2. Os valores estabelecidos para a formação de nível superior são determinados pelos respectivos planos de carreira (leis estaduais).
3. A equivalência do piso à Lei 11.738, nesta tabela, considera o valor anunciado pelo MEC para 2012 (R$ 1.451,00). Para a CNTE, neste ano, o piso é de R$ 1.937,26, pois a Confederação considera (i) a atualização monetária em 2009 (primeiro ano de vigência efetiva da norma federal), (ii) a aplicação prospectiva do percentual de reajuste do Fundeb ao Piso (relação ano a ano); e (iii) a incidência de 60% para pagamento dos salários dos educadores, decorrente das complementações da União feitas através das MPs nº 484/2010 e 485/2010.
4. Nos estados do Espírito Santo e Minas Gerais, as remunerações correspondem ao subsídio implantado na forma de uma segunda carreira para os profissionais da educação. Os valores integram vantagens pessoais dos servidores, e os sindicatos da educação cobram a aplicação correta do piso na carreira do magistério.
5. Na maioria dos estados (e também dos municípios), a aplicação do piso tem registrado prejuízos às carreiras do magistério, ofendendo, assim, o dispositivo constitucional (art. 206, V) que preconiza a valorização dos profissionais da educação por meio de planos de carreira que atraiam e mantenham os trabalhadores nas escolas públicas, contribuindo para a melhoria da qualidade da educação. (CNTE, 12/03/12)

Comentários
2 Comentários

2 comentários:

  1. Se algo está errado que seja consertado em tempo... ainda mais que para cada pessoa que deseja ensinar existem 30 pessoas que não querem aprender.
    Zona é o que os caras fazem no governo. Cidadania é o direito de se libertar das amarras opressoras do sistema democrático cuja maior tajédia é que ele ainda não conseguiu realizar a democracia.Não se pode esperar que uma pessoa se corrompa enquanto ela não frequentar um bom colégio. Um dia, uma semana ou um ano de aulas paralisadas não mudarão os valores dos filhos nossos se os educadores não tiverem atitude!
    a melhor maneira de formar crianças boas é fazê-las felizes. De que adianta acreditarmos em bons educadores enquanto estes se basearem em retidão e comprometimento através de melhores ganhos financeiros????
    Nunca duvide: O erro é a regra; a verdade é o acidente do erro.

    Duvidoso por qualquer ação dita "democrática", subscrevo-me.

    Luiz Guilherme Todeschi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara você está defecando pela boca.Tragédia é escrever trajédia.Talvez se tivessem feito mais greves na sua época a educação estaria melhor e você teria aprendido pelo menos escrever.

      Excluir